Blog

Conceitos básicos

Lightroom

Negócios

Linguagem

  • Instagram - Cinza Círculo
  • YouTube - círculo cinza
  • Facebook - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza
  • Pinterest - círculo cinza
  • Twitter - círculo cinza

Charbel Chaves Fotografia

Fotografia | Estúdio | Eventos | Cursos

Rua Valdemar Bertoldi, 420

Alvorada Parque - Paulínia, SP

+55 (19) 99756-3999

The Americans


Um dos livros mais interessantes de fotografias que eu tenho é este: The Americans, de Robert Frank. Uma preciosidade.

Esse brilhante fotografo percorreu os EUA em 1955 e 1956 fotografando seu próprio povo. Observou e colecionou aquilo que ele tentou traduzir sobre a indenidade americana. Foi publicado 1959 e é sem dúvida um livro que não pode ser apreciado foto por foto isoladamente. O conjunto delas é que nos contam o que Frank descobriu, documentou e apresentou como seu poema visual.

Eu gosto de entender esse trabalho como uma narrativa em mosaico. Um tema perpassa todo o conjunto de imagens, a solidão. O povo retratado é um povo, uma gente, mas é solitário na multidão. É segregado, é triste e está em busca de uma identidade. É como se aquela sociedade fizesse uma certa força para transformar toda a insegurança e incertezas dos anos 50 em algo que pudesse se chamar de nação. Não a nação que se mostrava na televisão, mas a nação das ruas. Cheia de conflitos e segregação racial.

Mesmo para a época as fotos eram vistas como estranhas e um tanto fora do “padrão” que se esperava de uma composição bela. Observando mais atentamente a sequência em que foram dispostas no livro, é possível identificar sempre uma relação entre uma imagem e sua posterior. O tema geral, sempre foi visto como triste. Mas Frank não estava capturando a luz, a cena, estava capturando o estado mental/emocional daquela época naquele país.

A imagem da capa já prenuncia o “romance visual” construído com 83 imagens. A variedade de rostos, tipos e expressões presentes nesta única foto já nos diz que este povo é um amontoado de gente tentando ser uma nação. Quantos rostos, quantas histórias!