Blog

Conceitos básicos

Lightroom

Negócios

Linguagem

  • Instagram - Cinza Círculo
  • YouTube - círculo cinza
  • Facebook - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza
  • Pinterest - círculo cinza
  • Twitter - círculo cinza

Charbel Chaves Fotografia

Fotografia | Estúdio | Eventos | Cursos

Rua Valdemar Bertoldi, 420

Alvorada Parque - Paulínia, SP

+55 (19) 99756-3999

Quadros sucessivos


Entre as artes visuais, existem várias que lançam mão da sucessão de quadros para contar uma história.

Cinema: é uma linguagem muito complexa. Mas em sua natureza é uma sucessão de fotos, 24, 30, 60 ou mais fotos por segundo. O cinema tem dentro de si, a fotografia. Dentro da produção de um filme temos uma ferramenta que é muito interessante para pensarmos a narrativa: o story board. Criar um story board é resumir. É achar a essência de uma sequencia a ser filmada ou animada. No story board estão apenas os quadros fundamentais. Com eles a história é plenamente contada.

Histórias em quadrinhos: são uma modalidade de story board por assim dizer.

Foto-livro: um livro com fotografias uma atras da outra. Escolher bem esse número limitado de imagem é fundamental.

Slide-show: a versão digital, para tela, de um álbum ou fotolivro. Com a vantagem do som. Uma trilha acompanhando a sucessão. A trilha, assim como no cinema, acrescenta muita emoção, intenção e "ambiente". Detalhe: se você não sabe, saiba agora que o Lightroom tem um módulo dedicado à produção dessa experiência.

Dípticos, trípticos ou polipticos: quadros (2, 3 ou 4) dispostos juntos. O conjunto deve dizer mais que cada quadro individualmente.

Exposição: criar uma exposição é criar uma experiência de percurso. A sequência da exposição funciona como tomar o observador pela mão e caminhar com ele pelo conteúdo.

Seja qual for a modalidade narrativa com múltiplos quadros, é necessário um senso narrativo que se valha da melhor seleção de imagens e na ordem ideal para que o observador das sequencia vivencie melhor a experiência visual. A seleção sempre calcada no mínimo. Contar a história com o mínimo possível. E o roteiro ditando o fluxo. Repouso e tensão. Como numa música. Começo, meio e fim.