Blog

Conceitos básicos

Lightroom

Negócios

Linguagem

  • Instagram - Cinza Círculo
  • YouTube - círculo cinza
  • Facebook - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza
  • Pinterest - círculo cinza
  • Twitter - círculo cinza

Charbel Chaves Fotografia

Fotografia | Estúdio | Eventos | Cursos

Rua Valdemar Bertoldi, 420

Alvorada Parque - Paulínia, SP

+55 (19) 99756-3999

Pequenas (e boas) derrotas



Um dos meus escritores prediletos disse:


"Quem se atreve a negar que as coisas futuras ainda não existem? Não está já no espírito a expectação das coisas futuras? Quem pode negar que as coisas pretéritas já não existem? Mas está ainda na alma a memória das coisas passadas. E quem contesta que o presente carece de espaço, porque passa num momento? Contudo a atenção perdura, e através dela continua a retirar-se o que era presente. Portanto, o futuro não é um tempo longo, porque ele não existe: o futuro longo é apenas uma longa expectação do futuro. Nem é longo o tempo passado porque não existe, mas o pretérito longo outra coisa não é senão a longa lembrança do passado."


Nesse trecho, esse amigo confessor descreve esse rio que passa chamado tempo. E eu fico pensando que nós, com câmera na mão, à margem, estamos tentando pescar um momento. O futuro não existe, o passado não existe - mas resiste de um forma que chamamos de memória, que engrossa e fica opaca com o passar do tempo - o que temos é bem pequenino, bem mortal: o instante presente. Tão instante pequeno e arisco que quando pressionamos o botão do disparador, o que a câmera registra já é uma nova coisa. O que eu vi e quis "pagar" já se foi. No fim, nunca fotografamos o que quisemos fotografar. Há sempre uma expectativa de vitória e sempre uma pequena derrota em cada fotografia. Mas me realizo com elas. E insisto, com atenção que perdura, fazer o quê? O local de trabalho de um fotógrafo é mesmo dentro desta estreita fresta do tempo.


Ah, mas alguém mais tecnológico e pragmático vai dizer: "podemos filmar e pegar o frame desejado depois". E eu vou responder: não vou abrir mão das pequenas frustrações, das fotos-quase, da expectativa da "fisgada". Não faço fotografia pra conseguir a foto perfeita. Faço pra aprender. E isso me lembra um amigo padre, paciente, velho, que me ensinou jogar xadrez: "quem perde, aprende mais". Ouvi isso muitas vezes!