Não venda fotografia


Existe uma hierarquia relativa a produtos. Entenda assim: uma coisa muito básica (como laranja, por exemplo) é uma commodity. É um bem em estado bruto, algo simples e produzido em massa. Para ganhar dinheiro com commodities é preciso produzir em grande quantidade porque a margem de lucro é pequena.


Mas commodities são utilizadas para fazer produtos industrializados. Por exemplo, com laranjas se faz suco de laranja em caixinha. E suco de laranja é um produto com um valor agregado maior que a laranja in natura. O produtor de suco deve receber mais pelo suco do que pela laranja visto que investiu em facilitar a vida das pessoas entregando o suco prontinho. Voilá! Margem maior.


Com produtos, podemos prestar serviços. Por exemplo abrir um quiosque na praia para vender suco de laranja e vitaminas à base de laranja. Assim, além de oferecer o produto geladinho, oferecemos o serviço de bar, atendimento, música, ambiente e tudo o mais que se encontra num bom quiosque da praia. Mais valor percebido pelo cliente, preço mais alto.


Mas, a sequencia não para aí. Bons prestadores de serviços precisam se diferenciar e criar experiências para seus clientes. Uma experiência é uma ocasião onde o cliente vive algo que lhe agrada tanto que aquilo fica na sua memória afetiva, transformando-se em uma ótima lembrança.


Por exemplo, o quiosque pode criar um lual mensal com uma infinidade de sucos e drinks preparados à base de laranja. Também haverá um cardápio de petiscos especial para essa "noite da laranja", com snacks harmonizados por um chef de cozinha. Tudo isso numa noite de luz cheia, boa música ao vivo e uma explicação de viva voz do próprio chef no início do evento. Teremos apenas 30 lugares disponíveis por mês. Um eventos memorável! Uma ode à laranja.


Veja bem a sequencia que a laranja seguiu: commodity, produto industrializado, serviço e experiência gastronômica. A cada etapa dessas o cliente passou a pagar mais porque percebeu que o produto (laranja) estava cada vez mais carregado de valor. Se há valor agregado, e se o cliente percebe isso, pode-se cobrar mais. Além disso a marca da empresa criou raízes afetivas na mente do cliente. A marca passou a significar mais do que ela se declara objetivamente (quiosque que vende sucos e vitaminas), passou a significar um lugar de experiências inesquecíveis.


Bem, mas o que a fotografia tem a ver com a laranja?


Você pode tratar a fotografia como commodity. Abra uma lojinha, sente seus clientes numa cadeira em frente a um fundo branco e faça uma foto chapada em 3x4 para vender. Ou pode vender foto-produtos com a foto do cliente (canecas, camisetas, impressões, posters). Mas adicionando ao ato fotográfico um serviço, você vai poder cobrar mais. Fotografar eventos sociais, por exemplo. Preste o serviço com bom atendimento e qualidade, depois venda álbuns do evento. Venda álbuns extras para a vovó e o vovô. Até aqui você está onde a maioria dos fotógrafos estão. Vendendo um serviço com alguns produtos derivados.


Mas como transformar a fotografia em uma experiência?


Se a sua abordagem fotográfica entrega emoção ou narrativa, você está vendendo uma experiência. Você está usando a fotografia para colocar na mente e coração do seu cliente algo memorável. Além disso o momento da contratação e entrega dos produtos pode ser uma experiência em si. Ambiente bem preparado, cafezinho, música ambiente, uma apresentação caprichada do material e um bom tempo de conversa. Tudo isso compõe a experiência.


Fotografe eventos sociais com alma, capturando os momentos mais delicados, marcantes, tocantes. Isso é entregar emoção. A experiência de receber um álbum emocionante ficará na mente, coração e na casa do cliente.


Fotografe eventos sociais contando a história. Com uma estrutura clara e narrativa. A experiência de receber um álbum-documentário é impactante e se torna um tesouro histórico dentro da casa do cliente. Tenho um livro dedicado exclusivamente a este assunto, veja aqui..


Pare de vender fotografia. Venda experiências. Agregando o valor da emoção e da narrativa, melhorando e aprofundando seu atendimento e entrega dos trabalhos, você pode cobrar mais e seu cliente terá a sua marca sempre em mente. Sua proposta de valor será memorável, impactante e reconhecida.


Convite:


Entre em contato comigo para marcarmos uma avaliação do seu portfólio. Tenho certeza que será um tempo de conversa e troca de experiências que irão mudar a sua fotografia.


fotografia de, fotografo de, fotógrafo de, casamentos, eventos sociais, festas, retratos, corporativos, gastronomia, arquitetura, e-commerce, Campinas, Valinhos, Vinhedo, Jundiai, Hortolandia, Sumare, Nova Odessa, Americana  

Escola de, curso de fotografia, aula de, aulas de, mentoria, orientação profissional, empreendedorismo, arte, criativos, criatividade

  • LinkedIn
  • instagram
  • Facebook
  • YouTube
  • Twitter
  • pinterest
  • Flickr
  • SoundCloud
  • medium
  • behance

Charbel Chaves Fotografia

Fotografia | Estúdio | Eventos | Cursos | Marketing

Campinas, SP

CNPJ 33.337.161/0001-24