Lições de Larrain

Dia desses a Melissa Gibin veio falar aqui na escola sobre Fotografia, Memória e Legado. Foi um encontro excelente. E inevitavelmente curadoria é um assunto que permeia esse ambiente de debate. No meio da palestra ela leu o texto abaixo como ilustração/inspiração para o assunto.


O texto foi extraído de uma carta, uma aula. Em carta, o fotógrafo Sérgio Larraín (1931-2012) ensina ao seu sobrinho em 1982, Sebástian Donoso Larraín, os segredos de sua arte (in Revista Zum, nº5), leia:


Cole com durex na parede, faça cópias em folhas de tamanho postal e olhe para elas. Comece a brincar com os ângulos, testar cores, enquadrar e vá aprendendo composição, geometria, enquadre perfeitamente, usando os ângulos. E amplie o que enquadrou, e deixe na parede assim. Para ir observando. Vá olhando. Quando tiver certeza de que uma foto é ruim, para lata do lixo! Na mesma hora. E a melhor você sobe um pouco mais na parede; no final, guarde as boas, e só. Guardar o medíocre faz você estancar no medíocre. É o top, e nada mais, o que se guarda. Jogue o resto fora, porque a gente carrega na psique tudo o que conserva. Depois faça ginástica, distraia-se com outras coisas e não se preocupe mais.

(...)

E vá juntando poesia, a sua e dos outros, pegue tudo o que encontrar de bom nos outros. E faça uma coleção de coisas ótimas, um museuzinho numa pasta.

Siga o seu gosto e mais nada, acredite no seu gosto. Você é a vida, e a vida é a que você escolhe. O que não gosta, não veja, não serve. Você é o único critério, mas veja as coisas de todo mundo. Vá aprendendo…

Quando tiver algumas fotos realmente boas, amplie e faça uma pequena exposição – ou um livrinho. Mande encadernar. E, com isso, vá firmando um chão. Ao mostrá-las, você se dá conta do que são, ao vê-las diante – é aí que você as sente. Fazer uma exposição é dar algo, é dar de comer, é bom para os outros mostrar-lhes algo com trabalho e gosto. Não é se exibir, faça bem-feito, é saudável para todos. E para você faz bem, porque você vai se testando.


Meditando mais no texto tirei algumas lições simples:


1) é preciso ter método. As fotos nas peredes... subindo conforme elas são "eleitas"... jogar fora com critério... um museuzinho numa pasta...

2) é preciso assumir o controle (no que for possível) das suas influências: veja as coisas de todo mundo, mas mantenha o sonso crítico.

3) é preciso lutar (não só aspirar) pela sua identidade: siga seu gosto... acredite no seu gosto... você é o único critério. (Eu, pessoalmente não diria "único critério", mas... é um critério importante.)

4) é preciso lutar contra a mediocridade, que tem grande poder: Guardar o medíocre faz você estancar no medíocre.

5) é preciso deixar o tempo agir, ele é parte fundamental da curadoria: E vá juntando poesia... quando tiver algumas fotos realmente boas... vá aprendendo…

6) expor seu trabalho é um ato de amor, é para os outros: Fazer uma exposição é dar algo, é dar de comer, é bom para os outros mostrar-lhes algo com trabalho e gosto. Não é se exibir, faça bem-feito, é saudável para todos.

7) o trabalho precisa condensar, engrossar, como um molho de tomate: Quando tiver algumas fotos realmente boas, amplie e faça uma pequena exposição - ou um livrinho. Mande encadernar. E, com isso, vá firmando um chão...


Essa é uma carta que eu vou passar a ler para meus alunos, assim eu a releio também. Sei que surgirão outras lições, outras camadas... espero que seja assim pra você também.

fotografia de, fotografo de, fotógrafo de, casamentos, eventos sociais, festas, retratos, corporativos, gastronomia, arquitetura, e-commerce, Campinas, Valinhos, Vinhedo, Jundiai, Hortolandia, Sumare, Nova Odessa, Americana  

Escola de, curso de fotografia, aula de, aulas de, mentoria, orientação profissional, empreendedorismo, arte, criativos, criatividade

  • LinkedIn
  • instagram
  • Facebook
  • YouTube
  • Twitter
  • pinterest
  • Flickr
  • SoundCloud
  • medium
  • behance

Charbel Chaves Fotografia

Fotografia | Estúdio | Eventos | Cursos | Marketing

Campinas, SP

CNPJ 33.337.161/0001-24