Blog

Conceitos básicos

Lightroom

Negócios

Linguagem

  • Instagram - Cinza Círculo
  • YouTube - círculo cinza
  • Facebook - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza
  • Pinterest - círculo cinza
  • Twitter - círculo cinza

Charbel Chaves Fotografia

Fotografia | Estúdio | Eventos | Cursos

Rua Valdemar Bertoldi, 420

Alvorada Parque - Paulínia, SP

+55 (19) 99756-3999

Fotógrafo estacionado



Porque algumas pessoas não se desenvolvem na fotografia? Eu creio que existem algumas atitudes que seguram o desenvolvimento do fotógrafo:

1) Fotografar pensando no que os outros vão pensar. As redes sociais intensificam isso. Fotografar pensado na opinião alheia (de forma ampla e geral) é um veneno para a a visão fotográfica. Esse caminho leva à aceitação de modinhas fotográficas e não explora a identidade do fotógrafo enquanto criador de conteúdo visual. Evite publicar para quem não é seu público-alvo e/ou para quem não tem compromisso com o seu desenvolvimento.

2) Não estar sempre com sua câmera. Mesmo que seja com o celular (que sempre estamos com ele). Mas parece que entre os estudantes de fotografia, a rejeição do celular como ferramenta plenamente viável ao treinamento fotográfico é muito maior do que entre a população em geral. Se você está nos 3 primeiros anos de carreira na fotografia e fotografa menos que 1 hora por dia, todos os dias, está faltando prática na sua rotina.

3) Pressa. Não olhar com os olhos certos. Com o tempo necessário. Isso também mata a sua fotografia. É preciso meditar, degustar uma cena. Mesmo que seja num ambiente tenso e agitado como uma grande cidade. O seu tempo interno e seu ambiente emocional interno é que tem que estar calmo. E isso é cada vez mais raro.

4) Seguir regras demais. As "regrinhas" são boas como etapa didática na sua formação. Mas o objetivo é que chegue uma fase em que o conceito da imagem que você deseja criar seja o seu guia. É preciso dominar as técnicas, as regras e as quebras-de-regras. Siga uma idéia! Crie uma imagem que está na sua mente. A fotografia começa na mente.

5) Falta curadoria e/ou auto-curadoria. Saber dizer sim, não e talvez para as suas próprias imagens é difícil. Tendemos a tratar nosso trabalho como um filho (e em certo sentido é mesmo). Mas é preciso filtrar, questionar, avaliar e principalmente rejeitar o que é necessário no seu trabalho. Isso é fundamental para o seu desenvolvimento. Isso pode ser feito por você mesmo e por outros profissionais contratados. Existem excelentes ferramentas práticas de curadoria e auto-curadoria. Nas sessões Jornada e especialmente no Identidade tratamos disso.

6) Falta alimento. Alimente sua mente com coisas à beira da fotografia. Veja o portifólio de gente criativa: filmes, poemas, cartazes, arquitetura, dança, música... dê alimento criativo para sua mente. Procure a relação que existe entre esses "alimentos" e a fotografia em si. Tempo, movimento, cores, texturas, volumes, planos, metáforas, rimas, sensações, sentimentos... as idéias estão em todos os lugares. Basta estar atento.