Blog

Conceitos básicos

Lightroom

Negócios

Linguagem

  • Instagram - Cinza Círculo
  • YouTube - círculo cinza
  • Facebook - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza
  • Pinterest - círculo cinza
  • Twitter - círculo cinza

Charbel Chaves Fotografia

Fotografia | Estúdio | Eventos | Cursos

Rua Valdemar Bertoldi, 420

Alvorada Parque - Paulínia, SP

+55 (19) 99756-3999

Fluxo de edição de imagens


Meu fluxo de organização e tratamento de imagens é baseado no Adobe Lightroom. E ele é uma ferramenta poderosa, se for bem usado. Se você for uma pessoa organizada, ele te ajuda, mas se for desorganizada a bagunça em catálogos, HDs e backups inconsistentes vai se avolumando. Então é fundamental conhecer bem não somente as funções do Lightroom, mas também boas práticas de fluxo de trabalho dentro dele.

Para preparar o conjunto de imagens de um evento ou sessão para o fluxo de tratamento é muito bom que se mantenha uma lógica na organização dos arquivos no HD. Eu faço da seguinte maneira:

1) Ao ser contratado pelo cliente, eu crio uma pasta em um HD de trabalho (chamado working) com a seguinte estrutura de nome: AnoMêsDia-TipoDeEvento_NomeDoCliente (por exemplo: 20170820-CasamentoPaula.

2) Dentro dessa pasta, crio uma subpasta chamada imagens. Nesta subpasta é que são colocadas os arquivos RAW da câmera quando o evento em questão efetivamente acontecer.

3) Também dentro da pasta do cliente, crio uma outra subpasta chamada documentos. É nela que serão guardas todos os documentos referentes à este evento, tais como contrato, orçamento, emails, recibos, cópia da nota fiscal emitida e/ou qualquer outro documento gerado no processo comercial.

3) Após o eventos fotografado, copiou os arquivos RAW da câmera para a subpasta imagens, abro o Lightroom e crio um novo catálogo dentro da pasta do cliente (no caso "20170820-CasamentoPaula") com o nome catálogo.

Neste ponto temos a seguinte estrutura criada no HD working:


Agora, começa o fluxo de edição e tratamento de imagens propriamente dito. Vale ressaltar que edição e tratamento não são a mesma coisa. Editar é selecionar. Tratar é alterar a aparência das imagens. ok? Mas vamos lá, no passo a passo:

Importação: importo para o Lightroom já aplicando uma ficha padrão de metadados, atribuo palavras-chaves específicas do evento em questão e seleciono um preset padrão que tenho chamado "tapa inicial". Esse preset tem 4 tratamento muito simples que eu aplico em todas as fotos que faço. Também já solicito conversão para DNG, visualização inteligente e visualização 1:1, para ganhar tempo e desempenho na etapa de tratamento. Como essa importação, no caso de um casamento é grande (em média 3 mil fotos), eu faço isso no fim do expediente e deixo o notebook lá trabalhando por horas. No dia seguinte, está tudo pronto para eu começar o tratamento.

Selecionar: uma vez criado o catálogo estou eu com as fotos em miniatura no módulo Biblioteca em forma de grade (tecla G) do Lightroom. A primeira tarefa a se fazer é inspecionar uma a uma (tecla E) e marcar com bandeira branca (tecla P) aquelas que serão alvo do tratamento.

Agrupar: o passo seguinte é criar alguns agrupamentos (coleções) úteis para subdividir a tarefa de tratamento de imagem em partes. No caso de uma casamento eu subdivido em partes do evento (making of da noiva, decoração, cerimônia, ensaio com o casal, festa, balada...), mas você pode criar as subdivisões que achar melhor. O importante é criar pequenos grupos de fotos para que você realize o tratamento em etapas e mantenha o máximo de uniformidade no tratamento dentro de cada etapa.

Tratamento: o tratamento acontece no módulo Revelação (tecla D). Eu raramente uso o "tratamento rápido" que está disponível no módulo Biblioteca. Tenho por hábito selecionar uma ferramenta (por exemplo, a ferramenta de corte) e aplicar sua função foto a foto (ou em grupos de fotos se for o caso). Eu não pego uma foto e faço todo o tratamento dela. Eu pego uma ferramenta e a uso em todas as fotos que precisam dela. Isso dá uma grande diferença de trampo de processamento.

As ferramentas que infalivelmente serão usadas em todas as fotos são: corte, básico e curva de tons. As demais serão usadas somente quando necessário, conforme cada foto.

Presets: eu uso presets que eu mesmo desenvolvi. Isso agiliza muito o meu trabalho, mas para aplicar um preset em um grupo de fotografias, é muito recomendável que você capriche na etapa "agrupar" descrita acima. O uso de presets, pode ser um forte aliado na coesão estética do seu portifólio. Mas se for usado de forma errada, irá causar o efeito contrário, o portifólio pode se tornar um mostruário de tratamentos variados sem nenhuma unidade estética. Então, saber como construir e aplicar presets é fundamental. Presets simples são muito mais úteis que presets complexos. Mas isso é assunto para outro post.

Classificação: depois de tratadas, as imagens serão avaliadas. Eu atribuo 5 estrelas para as melhores das melhores. Geralmente, num universo de 600 fotos (pacote que é por padrão entregue às noivas), umas 10 serão avaliadas como 5 estrelas. Essas fotografias irão para o meu portifólio. Somente essas.

Exportação: eu sempre exporto (para o cliente final) em 2 formatos:

WEB (Aresta longa=1500, JPG, sRGB, qualidade 90, DPI=1, nitidez para Tela, com assinatura)

Hi-Res (Aresta longa=6000, JPG, AdobeRGB, qualidade 100, DPI=300, nitidez para Papel Fosco, sem assinatura).

Meus clientes recebem isso em um Pen Drive personalizado com a quantidade de fotos prevista em contrato. No caso de casamentos são 600 fotos.

Também exporto somente as fotos 5 estrelas "como DNG" para um catálogo chamado Portifólio. Este catalogo tem apenas as melhores fotos de cada um dos trabalhos que eu já realizei.

Entregue as fotos, cliente estando satisfeito, atualizo meu site (se for o caso) com fotos novas no portifólio, continuo meu procedimento de segurança para arquivo e backup.