Balanço de branco


Temperatura de cor A temperatura de cor pode ser definida de maneira simplificada como a cor da luz. Observe que as luzes carregam em si uma certa tonalidade conforme a sua origem. A luz proveniente de uma fogueira, por exemplo, é bem amarela. A luz do sol ao meio dia é branca. A luz do por-do-sol é levemente alaranjada. A luz dos dias nublados é levemente azulada e assim por diante. Essa cor da luz tinge os objetos e as pessoas. A cor da luz muda a cor das coisas iluminadas. Consideramos em fotografia, como cor padrão, com luz neutra, a luz branca. A luz branca é obtida de forma imprecisa sob o sol do meio do dia ou, de forma precisa, com fontes artificiais como o flash dedicado (esse que acoplamos à câmera), a tocha de estúdio (aqueles flashes grandes ligados à tomada ou baterias externas), lâmpadas ou leds de luz calibradas como luz branca.




A temperatura de cor é medida por uma escala, chamada escala Kelvin. Quanto mais quente a luz é, mais amarelada, e mais baixo o número que representa essa temperatura. Por exemplo, a luz de lâmpadas incandescentes (também chamadas de tungstênio) tem temperatura em torno de 2700K. O flash (luz branca) tem temperatura ajustada em 5500K. A luz de dias nublados está em torno de 7000K.


Balanço de branco O balanço de branco é uma função da câmera que visa neutralizar a cor da luz, tornando-a branca, ou seja, neutra. Se a luz for azulada, como a luz de um dia nublado por exemplo, a câmera quando ajustada para um balanço de branco “cloud”, irá adicionar um pouco de amarelo à cena. Assim o que era azulado pela luz, ficará neutro. Da mesma forma, se o assunto fotografado estiver sob uma luz do tipo “incandescente”, ou seja amarelada, quando a câmera estiver com o balanço de branco em “incandescente”, terá uma adição de azul, o que fará com que a fotografia fique neutra. O balanço de branco é esse trabalho que a sua câmera ou software de tratamento de imagem fazem para que a cor da luz fique neutra. Indo além Existem também outras cores que podem estar contaminando a cena. Existe um segundo “eixo”, que vai do verde ao magenta. A maioria das câmeras também contemplam esse tipo de correção. É comum que lâmpadas de gás de flúor ou mercúrio tenham esse tipo de desvio, bem como alguns leds de pior qualidade.


No Lightroom existem correções automáticas e também correções manuais. Na aba Básico do LR temos, além dos slides temperatura (amarelo/azul) e colorir (magenta/verde), a ferramenta “conta-gotas” que pode ser usada para que o usuário indique um área na cena de cor neutra (algum tom de cinza). Ao analizar essa área indicada, o software descobre qual desvio está presente (amarelo, azul, verde ou magenta) e faz a “neutralização” automaticamente na imagem toda.


Predefinições na sua câmera Sua câmera provavelmente tem um menu de ajustes de balanço de branco (white balance) que apresenta algumas predefinições vindas de fábrica para contemplar as situações mais comuns. Geralmente são representadas pelos seguintes símbolos e nomes:


Existe também uma opção chamada AWB (auto white balance) que fará uma leitura/análise automática da situação de luz e fará as correções necessárias de maneira quase sempre bem satisfatória. Mas pode haver algum erro, principalmente quando existem duas fontes de luz de temperaturas diferentes na mesma cena. A vantagem do Raw Os arquivos raw não levam em conta a cor da luz. Eles registram apenas ISO, abertura e tempo. O balanço de branco pode ser livremente definido ou corrigido posteriormente, no tratamento da imagem. Mesmo que você veja no LCD da câmera, uma fotografia feita com um grande desvio cromático, ele poderá ser alterado posteriormente. Mas observe que no LCD a cena estará conforme o balanço de branco que estiver ajustado no menu White Balance da câmera, porque a imagem exibida na câmera é sempre um JPG temporário, uma simulação, mesmo quando fotografamos em Raw. Então, se você fotógrafa em Raw (o que eu recomendo) desconsidere a cor da cena no LCD. Se você ainda não sabe o que é um arquivo Raw, leia este artigo. Uma observação final Nem sempre um imagem matematicamente correta nem termos de balanço de branco, é visualmente agradável ou desejável. Às vezes queremos mesmo que haja uma certa predominância mais para o amarelo (quente) ou para o azul (frio) de acordo com a nossa intenção fotográfica. Você pode querer que uma cena de uma estrada poeirenta seja amarelada, pode querer que um crepúsculo no mar seja azulado. Estes são casos que aceitam uma interpretação cromática irreal por parte do criador da imagem. Mas em outros casos não. Em fotografias produzidas para produtos por exemplo, é necessário haver uma precisão cromática. É o caso de jóias, cosméticos, produtos como lápis de cor, veículos, roupas, tintas, ou mesmo gastronomia...nestes casos a fidelidade à cor real é requerida por uma questão comercial do produto. Não é uma questão de escolha.


fotografia de, fotografo de, fotógrafo de, casamentos, eventos sociais, festas, retratos, corporativos, gastronomia, arquitetura, e-commerce, Campinas, Valinhos, Vinhedo, Jundiai, Hortolandia, Sumare, Nova Odessa, Americana  

Escola de, curso de fotografia, aula de, aulas de, mentoria, orientação profissional, empreendedorismo, arte, criativos, criatividade

  • LinkedIn
  • instagram
  • Facebook
  • YouTube
  • Twitter
  • pinterest
  • Flickr
  • SoundCloud
  • medium
  • behance

Charbel Chaves Fotografia

Fotografia | Estúdio | Eventos | Cursos | Marketing

Campinas, SP

CNPJ 33.337.161/0001-24